Vereadores da Comissão de Meio Ambiente visitam Parque Altamiro de Moura Pacheco

por Marcos Vieira publicado 19/09/2019 17h54, última modificação 19/09/2019 17h54
Vereadores da Comissão de Meio Ambiente visitam Parque Altamiro de Moura Pacheco

Vereadores Wederson Lopes, Thaís Souza, Lélio Alvarenga e Fernando Paiva

Vereadores visitaram na manhã desta quinta-feira (19.set) o Parque Estadual Altamiro de Moura Pacheco – uma das principais unidades de conservação ambiental da região – em uma ação acompanhada também por estudantes da 2ª série do ensino médio do Colégio da Polícia Militar de Goiás Arlindo Costa.

A iniciativa para a visita partiu do Programa na Beira da Mata, do ambientalista Valdivino Félix, com apoio da Comissão de Urbanismo, Transporte, Obras, Serviços e Meio Ambiente da Câmara Municipal de Anápolis.

Além de percorrer trilhas do parque e conferir de perto a degradação causada pelas queimadas recentes, os estudantes puderam observar a visível redução do volume do Reservatório João Leite, que hoje fornece água para 1 milhão de pessoas da região metropolitana de Goiânia.

Para o presidente da Comissão de Meio Ambiente, vereador Wederson Lopes (PSC), envolver os estudantes em ações ambientais faz com que eles percebem na prática a importância de se preservar a natureza e do uso racional da água.

“Às vezes se ouve na imprensa, mas a pessoa não tem noção da seriedade da situação, de como é preciso fazer o uso racional da água. Aqui os estudantes observam e tem contato com essa realidade. Isso gera uma formação responsável e, esperamos, que com isso eles se tornem adultos melhores do que nós temos sido”, ressaltou Wederson.

Para o vereador Lélio Alvarenga (PSC), a tomada de consciência é o primeiro passo para uma mudança de atitude – e a aula de campo cumpre bem essa função. “Antes a água era um bem inesgotável, mas agora a gente percebe que precisamos preservar muito para que no futuro ao menos tenhamos o suficiente para a vida”, comentou.

A vereadora Thaís Souza (PSL) também falou da redução do volume de água no reservatório, mas chamou a atenção para as queimadas. “É bom que os jovens vejam com os próprios olhos o que é a degradação ambiental. Precisamos lutar pela preservação, pois qualquer mudança nos afeta diretamente”, explicou.

O vereador Fernando Paiva (PODE) lembrou que já há leis específicas de proteção ambiental, e mecanismos de fiscalização, mas o que falta é o engajamento das pessoas na preservação do ecossistema. Por isso, comentou, é fundamental a presença de jovens em ações voltadas para a natureza.

Essa visão positiva de se mostrar na prática o que se aprende na sala de aula, ou mesmo se toma conhecimento nos meios de comunicação, também foi compartilhada pelo tenente Glayton Caetano, coordenador disciplinar do Colégio Arlindo Costa. “Aqui os estudantes fazem uma projeção para o futuro, aprendendo a importância de se preservar o Cerrado e os recursos hídricos”.

O chefe da Seção Operacional do Comando de Policiamento Ambiental de Goiás, major Sérgio Penic, lembrou que o meio ambiente não responde de maneira imediata às ações de recuperação, embora sofra quase que imediatamente a degradação, o que torna relevante que os jovens saibam disso na prática.

“A gente tem que ensinar hoje para que os filhos desses jovens sejam conscientes”, afirmou o oficial, se referindo à necessidade de se formar uma geração para que a próxima colha os frutos de ações positivas.