Thaís repercute presença da bancada feminina no 1º Encontro de Vereadoras e Mulheres na Política

por Marcos Vieira publicado 14/10/2019 17h15, última modificação 14/10/2019 17h22
Thaís repercute presença da bancada feminina no 1º Encontro de Vereadoras e Mulheres na Política

Vereadora Thaís Souza, do PSL (Foto: Ismael Vieira)

A vereadora Thaís Souza (PSL) repercutiu na tribuna, na sessão desta segunda-feira (14.out), a participação da bancada feminina da Câmara Municipal de Anápolis no 1º Encontro de Vereadoras e Mulheres na Política de Goiás, realizado na sexta-feira (11.out) na Assembleia Legislativa.

Segundo ela, foi tratado no evento o fato de apesar de 52% do eleitorado brasileiro ser de mulheres, a presença feminina em cargos eletivos não corresponde a esse quantitativo. Thaís disse que há outro agravante, observado no evento, que é a questão do machismo no dia a dia daquelas que atuam no meio.

“Ouvimos casos de vereadoras que são alvo de chacotas, que não são consideradas pelo prefeito em suas cidades”, comentou Thaís. Ela observou que fez questão de dizer que em Anápolis a situação é diferente.

“Aqui somos respeitadas pelos colegas. Estamos no meio de homens evoluídos, que nos respeitam. Foi triste ver que isso não acontece em outras cidades. Cumprimento meus colegas vereadores e também o prefeito Roberto Naves, que sempre nos recebe e mantém respeito aos nossos pleitos”, destacou.

Thaís lembrou que na Câmara Municipal, três grandes comissões são presididas por mulheres: ela própria na Comissão de Constituição, Justiça e Redação; Professora Geli Sanches na Educação e Elinner Rosa na Saúde.

As três estiveram no encontro em Goiânia. Em aparte, Geli disse que ficou assustada com os depoimentos de colegas de outras cidades e lembrou que em Anápolis, existe respeito, com a presença feminina, inclusive, na Mesa Diretora.

Thaís comentou sobre problemas que ela vem passando dentro do seu partido em Anápolis, e disse que “infelizmente” o presidente da sigla, que não se decide sobre a permanência no cargo, não a respeita como detentora de mandato, “mas que deve respeitá-la como mulher”.

“O respeito precisa começar dentro do partido no qual estamos inseridos”, destacou a vereadora, recebendo o apoio dos colegas Domingos Paula (PV) e Mauro Severiano (PSDB).

“Faço uma ressalva: tenho minha independência. Voto em que acho que é correto. Não é porque faço parte do partido da presidente que preciso concordar com tudo. Quem me conhece são os colegas que estão comigo no dia a dia”, completou.

registrado em: ,