Professora Geli Sanches repercute 1º Simpósio de Doenças Raras da Apae Anápolis

por Marcos Vieira publicado 28/02/2018 14h30, última modificação 28/02/2018 14h30

A vereadora Professora Geli Sanches (PT) repercutiu na tribuna, nesta quarta-feira (28.fev), o 1º Simpósio de Doenças Raras realizado pela Apae de Anápolis no último final de semana. Segundo ela, seu pronunciamento foi deixado para o Dia Mundial das Doenças Raras, comemorado no dia 29 de fevereiro, mas em anos não bissextos, é celebrado em 28 de fevereiro.

“Foi um seminário muito organizado, muito prestigiado por acadêmicos de medicina, com muitos profissionais da saúde, da educação e, sobretudo, aqueles que atendem a inclusão. Porque a escola é a porta de entrada de todos os problemas sociais e de saúde”, ressaltou Geli. Ela comentou que há doenças raras que muitos sequer sabem seus nomes.

O conceito de doença rara, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é a doença que afeta até 65 pessoas em cada 100 mil indivíduos, ou seja, 1,3 para cada 2 mil pessoas. Este foi o conceito adotado na Portaria 199/2014, que trata da Atenção Integral à Pessoa com Doença Rara no SUS.

Existem de seis a oito mil tipos de doenças raras catalogadas, esse número varia de acordo com as tipologias adotadas. Em algumas classificações, determinadas nôminas representam subtipos de outras doenças.

A vereadora Professora Geli elogiou o trabalho realizado pelo coordenador do laboratório da Apae, Marcos Zucchetti, que cumpre um papel importante no diagnóstico dessas doenças raras, algo fundamental para que o paciente receba um tratamento adequado e, consequentemente, melhor qualidade de vida.

A vereadora lembrou que em 2016 a Apae de Anápolis foi habilitada pelo Ministério da Saúde como serviço de referência em doenças raras e já conta com dezenas de pacientes portadores dessas doenças, em tratamento pelo ambulatório multidisciplinar especializado. “Além disso, a entidade é uma das melhores do Brasil”.

Professora Geli também destacou o fato de que a região Centro-Oeste só possui duas médicas geneticistas. Uma delas, Thaís Bonfim, atende na Apae Anápolis. Outra profissional, Rosenele Oliveira Araújo, atende no Hospital de Base de Brasília e no Crer de Goiânia.