Professora Geli diz que "Educação do Brasil está de luto", com cortes de investimentos na Educação

por Fernanda Morais publicado 06/05/2019 11h40, última modificação 13/05/2019 10h13
Professora Geli diz que "Educação do Brasil está de luto", com cortes de investimentos na Educação

Professora Geli diz que "Educação do Brasil está de luto", com cortes de investimentos na Educação (Foto: Ismael Vieira)

A vereadora professora Geli Sanches (PT) lamentou os últimos acontecimentos da Educação pública a nível nacional.

Em discurso no grande expediente, durante a sessão ordinária desta segunda-feira (6.mai), Geli disse que "A educação brasileira está de luto, sobretudo a goiana com a morte de um professor em Valparaíso de Goiás. Assassinado por um aluno da escola. A educação perdeu um educador, e essa agressão reflete em toda classe docente", comentou a vereadora.

A professora também reforçou que "a educação brasileira está em luto pelos cortes em investimentos anunciados pelo Ministério da Educação. 30% da verba das universidades federais do Brasil serão retiradas", destacou.

Para Geli esse corte afetará todo o País. "Autoridades internacionais classificam a ação do Governo Federal como um corte em investimentos e não corte em gastos", disse.

A vereadora frisou que a justificativa para a medida não condiz com a realidade. "O Governo Federal disse que ia pegar o valor e investir na educação fundamental e básica. Não é verdade. Também foram feitos cortes de mais de R$ 2,4 bilhões nessas categorias e no mesmo dia do anúncio do corte dos 30% para as universidades", lamentou.

De acordo com a vereadora, essa redução nos repasses vai comprometer a garantia da permanência do aluno em sala de aula. "Vai mexer na merenda e transporte escolar, promover fechamento de escolas em tempo integral", citou.

Geli Sanches avaliou ainda que compromissos com a educação pública municipal também estão deixando de ser cumpridos.

"Foi anunciado a realização de um concurso público para contratação de profissionais para educação, mas o que vimos recentemente foi uma chamada por processo seletivo. Seguimos firmes na defesa dos professores, pois só a educação transforma", concluiu.