Pastor Elias Ferreira lamenta prejuízo nas indústrias do DAIA com a crise da falta d’água

por Julio de Paula publicado 23/10/2019 14h15, última modificação 23/10/2019 14h32
Pastor Elias Ferreira lamenta prejuízo nas indústrias do DAIA com a crise da falta d’água

Pastor Elias Ferreira lamenta prejuízo nas indústrias do DAIA com a crise da falta d’água

 

 

 

Já não bastassem as consequências negativas vividas pela população (e em suas casas) de Anápolis quanto à crise hídrica nos últimos meses. Em outubro mais ainda. Agora, ela atingiu de vez as empresas, principalmente as localizadas no Distrito Agroindustrial (DAIA). Sem água para produzir, algumas indústrias já estão dando férias coletivas aos funcionários.

A Brainfarma foi uma destas empresas. Seiscentos colaboradores ganharam férias coletivas. Esta medida é para a firma enfrentar os problemas de abastecimento de água. A Granol teria desligado também uma unidade de produção. Na visão do vereador Pastor Elias Ferreira (PSDB), é lamentável o corrido. Ele questiona o quê estes funcionários farão dentro de casa sem água.

Após buscar ajuda junto ao Ministério Público do Estado de Goiás e à Saneago, em Goiânia, Pastor Elias continua incisivo na sua luta contra a falta d’água na Cidade. “Nosso povo está passando necessidade. Não tem água para tomar, não existe água para lavar roupa. Temos que fazer mais cobranças às autoridades”, pontuou.

 A crise hídrica é resultado dos baixos níveis de água nos reservatórios, no momento em que deveriam estar em níveis normais para atender as necessidades da população. Na Cidade, sobretudo na região Sul, a falta de água tornou-se mais grave. “Só Deus para ter dó e mandar chuva para nós também”, disse o parlamentar.

E com a finalidade de discutir os desdobramentos da Audiência Pública (em que a sociedade e parlamentares cobraram investimentos por parte da Saneago), realizada pelo Poder Legislativo no último dia 18, a Câmara Municipal - com 22 vereadores confirmados -, encontrará com o promotor de justiça, Paulo Martorini, da Defesa do Consumidor, nesta quarta-feira (22.out), no Ministério Público, às 13 horas, na sede do bairro Jamil Miguel.

“A situação é gravíssima. Não vamos baixar a guarda. Estamos correndo atrás para resolver os problemas e a luta vai continuar”, concluiu Pastor Elias Ferreira.

 

Foto: Assessoria do vereador