Pastor Elias faz Moção de Apelo pedindo funcionamento normal das feiras livres

por Marcos Vieira publicado 04/08/2020 12h34, última modificação 04/08/2020 12h34
Pastor Elias faz Moção de Apelo pedindo funcionamento normal das feiras livres

Vereador Pastor Elias, do PSD (Foto: Ismael Vieira)

Moção de Apelo do vereador Pastor Elias (PSD), aprovada em plenário nesta terça-feira (4.ago), solicita ao Executivo que permita o funcionamento normal das feiras livres de Anápolis, observando os cuidados determinados para esse período de pandemia de coronavírus.

A propositura será encaminhada ao prefeito Roberto Naves (PP), à Secretaria de Desenvolvimento Econômico e à Vigilância Sanitária.

Em discurso na tribuna, o vereador explicou os motivos da sua Moção de Apelo, citando, sobretudo, as perdas acumuladas pelos feirantes com a suspensão das atividades ou o funcionamento espaçado.

“Visto que as feiras livres prestam serviços essenciais para a comunidade, peço respeitosamente através desta Moção de Apelo que o prefeito reveja as regras para funcionamento das mesmas, isto é, que voltem à rotina normal”, frisou Pastor Elias.

O vereador frisou que seu pedido de retorno às atividades normais desse setor da economia não desobrigam aos protocolos de combate à Covid-19, como uso de máscaras, álcool em gel e distanciamento. Essas normas, segundo Pastor Elias, já estão sendo cumpridas na íntegra pelos feirantes.

O vereador informou que Anápolis tem 28 feiras, que reúne 700 feirantes, o que representa 2,8 mil pessoas que vivem do setor, considerando a média de quatro pessoas por família.

As feiras livres geram 2,1 mil empregos diretos e 10 mil empregos indiretos. Elas ficaram fechadas 20 dias ininterruptos no início da pandemia. Agora funcionam semana sim semana não.

Santa Casa
Pastor Elias também parabenizou o Poder Executivo pelo projeto de concessão de auxílio financeiro à Fundação de Assistência Social de Anápolis (Fasa), mantenedora da Santa Casa. O texto foi aprovado em primeiro turno de votação.

“Muitos criticam a Santa Casa, mas seria pior sem ela. Vejo pessoas que chegam ali e são atendidas. Fácil é administrar quando tem dinheiro. Quando não tem, não é fácil. Parabenizo o Executivo pela propositura”, disse Pastor Elias.