Lisieux diz que proposta de reforma da Previdência como está é um "engodo, uma falácia"

por Orisvaldo Pires publicado 03/04/2019 11h28, última modificação 03/04/2019 11h28
Lisieux diz que proposta de reforma da Previdência como está é um "engodo, uma falácia"

Lisieux diz que proposta de reforma da Previdência como está é um "engodo, uma falácia"

O vereador Lisieux José Borges (PT) disse durante a sessão ordinária desta quarta-feira (3.abr) que a proposta da reforma da Previdência Social, da forma que está, é "um engodo, uma falácia". Segundo ele, a grande mídia é usada para convencer a população. "A Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil garantem que a Previdência é superavitária. E é mesmo. Já trouxemos exemplos aqui nesta tribuna", lembrou.

Segundo Lisieux, a Desvinculação das Receitas da União (DRU) tira 20 por cento de toda a receita nacional para o pagamento da dívida pública e que o ex-presidente Michel Temer ampliou este montante para 30 por cento, "tiram verba da Previdência privada para pagamento da dívida pública, assim vai ter prejuízo mesmo".

O argumento de que o brasileiro ampliou sua longevidade deve ser considerado, segundo Lisieux Borges, mas o vereador alerta que, neste aspecto, foi criada uma armadilha, "pois é exigido do cidadão que contribua por 40 anos". Segundo ele, é necessário considerar o grande número de trabalhadores informais que não recolhem para o INSS, outros oscilam entre a formalidade e a informalidade e, por algum tempo, também não recolhem, "e quando chegam aos 65 anos, percebem que os anos de contribuição não foram suficientes para aposentar".

Lisieux Borges afirma que, da forma como está, a reforma da Previdência interessa mais aos bancos. Segundo ele, a DRU estabelece o direcionamento de mais de 50 por cento do que é arrecadado para os bancos, para amortizar a dívida pública, algo em torno de R$ 1,8 trilhão.