Lacerda volta a criticar projeto de deputado que inclui Anápolis na Região Metropolitana de Goiânia

por Fernanda Morais publicado 20/05/2020 11h44, última modificação 20/05/2020 11h44
Lacerda volta a criticar projeto de deputado que inclui Anápolis na Região Metropolitana de Goiânia

(Foto: Ismael Vieira)

O vereador Luiz Lacerda (PT), voltou a criticar o projeto de lei do deputado estadual Alysson Lima (Republicanos) que inclui Anápolis na Região Metropolitana de Goiânia (RMG).

Lacerda lembrou que recentemente a Câmara Municipal aprovou uma moção de repúdio que foi encaminhada ao gabinete do deputado na Assembleia Legislativa para mostrar insatisfação com a proposta.

“Ainda somos questionados com frequência porque fomos contrários ao projeto. E aqui eu reforço e justifico. Ou o deputado não conhece Anápolis ou está de brincadeira com a cidade”, disse.

O vereador mostrou que o projeto do deputado apenas altera o primeiro artigo da lei 139 de janeiro de 2018. Lei que criou a RMG. Na lei, segundo Lacerda, estão as prerrogativas que as cidades que fazem parte da região metropolitana têm junto ao poder público.

“Ele apenas modificou o primeiro artigo da lei. Incluindo Anápolis nesse grupo. Então ele está de brincadeira com Anápolis”, disse o vereador mostrando que 20 municípios fazem parte do núcleo.

“Tem um conselho, o Condemetro, que toma as decisões referente a região metropolitana, ele delibera sobre transporte público, saneamento, enfim, sobre aos interesses das cidades que estão no grupo. Por isso acho que o deputado não leu toda lei. São 29 conselheiros. 20 deles são os prefeitos das 20 cidades que estão inclusas na região, um é o governador de Goiás, quatro são representantes de poderes legislativos e outros quatros são representantes da sociedade. Total 29 conselheiros”, enumerou.

Luiz Lacerda continuou a explicação. “Ele não mexeu na lei aumentando o número de conselheiros na Condemetro, já que o prefeito de Anápolis também deveria estar representado no projeto”, explicou.

Ainda de acordo com Lacerda, os representantes dos poderes legislativo seriam “um deputado indicado pela Assembleia Legislativa, dois vereadores, um de Goiânia e um de Aparecida de Goiânia e um último que seria indicado pelos demais municípios já inclusos na região”, listou.

Sobre o poder de decisão no Conselho, o vereador do PT contou que 15% é o voto do governador do Estado e 35% do prefeito de Goiânia. “E se conseguir mais um voto já tem 51% de poder, o que já decide pelas outras cidades do núcleo”, mostrou Lacerda indicando que 8% do voto está com Aparecida de Goiânia, 7% com Senador Canedo e os 20% para os demais prefeitos.

“Por isso eu repito. Só pode ser brincadeira com Anápolis. Mostro esses dados porque ou o deputado não leu a lei, ou está de brincadeira com nossa cidade. Só alterou o item 1 de um projeto tão importante e que mexeria com toda estrutura do nosso município”, concluiu.