Jean propõe frente de vereadores para lutar pela ampliação de leitos de UTI

por Marcos Vieira publicado 20/11/2017 16h51, última modificação 20/11/2017 16h51

O vereador Jean Carlos (PTB) propôs na tribuna, nesta segunda-feira (20.nov), a atuação em conjunto da Câmara Municipal para se conseguir a ampliação do número de leitos de UTI em Anápolis. “Que nós mobilizemos nossas bancadas partidárias na Assembleia e na Câmara Federal para sensibilizar o governo estadual, que é o responsável pela alta complexidade”, frisou.

Segundo ele, é preciso montar uma frente de trabalho que levantaria na Secretaria Estadual de Saúde o déficit de leitos de UTI existe na cidade. Dessa forma, os vereadores uniriam forças para ampliar as vagas. “Não podemos ficar refém dessa situação. Não adianta ter o maior PIB, ser polo educacional e farmacêutico, se não dermos condições de assistência à saúde à nossa população”, comentou o vereador.

Jean lembrou que o vereador é o político mais próximo da população, portanto precisa abordar assuntos que causam comoção e, na maioria das vezes, indignação da comunidade. A luta para ampliação de leitos de UTI, continuou o petebista, é antiga, desde o seu primeiro mandato, mas a situação parece só piorar. “A demanda reprimida existe e precisa ser atendida”.

O vereador lembrou que a população clama por socorro, pedindo mais leitos, e a Secretaria Municipal de Saúde não tem condições de atender um problema que a princípio não caberia a ela arcar sozinha.

Jean Carlos citou o caso de um menino de 12 anos que morreu no dia 14 em Anápolis, depois de ter fraturado o punho na escola. “É lamentável. É claro que tem um procedimento de apuração – não estamos antecipando se houve negligência ou imprudência, qual foi o exato motivo –, mas teve o episódio e nos desperta para dificuldade de vagas na cidade, principalmente de UTI”.

O vereador comentou que o governo estadual vive uma constante de transferência de responsabilidades. Ele deu o exemplo da proposta feita pelo comandante geral da PM, coronel Divino Alves, de fechamento mais cedo dos bares da cidade como forma de reduzir a violência. “A crise que vivemos ainda propor isso?”, questionou Jean, informando que situações semelhantes acontecem no saneamento básico e na saúde.

Segundo Jean, os vereadores acabam ficando atrás do sistema de regulação para conseguir vagas. Enquanto isso há uma inversão de prioridades no governo estadual. “Recentemente falei que destinaram R$ 600 mil para um seminário na área da indústria e comércio. Nada contra, mas esse valor daria no mínimo para implantar um leito de UTI”.