Jean Carlos defende “agenda positiva” da Codego para a cidade de Anápolis

por Marcos Vieira publicado 20/05/2020 11h12, última modificação 20/05/2020 11h12
Jean Carlos defende “agenda positiva” da Codego para a cidade de Anápolis

Vereador Jean Carlos, do DEM (Foto: Ismael Vieira)

Em discurso na tribuna na sessão desta quarta-feira (20.mai), o vereador Jean Carlos (DEM) fez uma defesa das ações da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Goiás (Codego) no Distrito Agroindustrial de Anápolis (Daia), lamentando as críticas feitas pelo representante do Fórum Empresarial e secretário municipal de Desenvolvimento Econômico, Anastacios Apostolos Dagios.

“Que a gente possa ter ações de convergência. Que o secretário, que também representa o Fórum Empresarial e a Acia [Associação Comercial e Industrial de Anápolis], se una aos esforços para retomada da atração de investimentos para a cidade”, frisou o vereador.

Jean relacionou anúncio recente da Codego, de cessão de áreas para instalação de cinco novas empresas no Daia, além da ampliação do laboratório Geolab, que gerará cerca de 3 mil empregos diretos e indiretos.

Ele citou ainda o trabalho de recuperação da malha asfáltica do distrito, reforma de pontos de ônibus e desassoriação do ponto de captação de água. “Também será retomada para conclusão a obra do anel viário, parada em 47%”.

Jean Carlos disse que a Codego tem agido com transparência, inclusive com a presença do seu presidente, Marcos Cabral, em sessão da Câmara, respondendo questionamentos de vereadores.

Para Jean, é preciso reconhecer a “agenda positiva para a cidade”. “Na semana passada tivemos o decreto que confirmou a cessão de 87 alqueires da Plataforma Logística para a Codego, permitindo distribuir mais áreas para empresas”.

“O que me preocupa é que no momento que deveria se convergir as forças, a fala de representante do Fórum Empresarial é na contramão disso tudo”, prosseguiu o vereador.

Jean disse ainda que a declaração é de uma pessoa que tem peso no setor econômico, por isso o importante nesse momento de crise é que houvesse a convergência da força empresarial com os poderes públicos.

“E há sintonia entre Município e Estado. Há de se reconhecer que em 18 meses não é fácil resolver tudo que estava represado, ainda mais com quatro meses de pandemia que gerou retrocesso na economia”, comentou Jean.

Para o vereador, além das obras, o que é mais importante, que o empresário cobra, é a atração de investimentos. “E esse é o mote da Codego”. “A fala, ao invés de atrair, causa uma discórdia e gera insegurança para investidores”, concluiu.