Gomide critica fato de tarifa de água e esgoto de Goiás ser a mais cara do Brasil

por Marcos Vieira publicado 21/03/2018 14h35, última modificação 21/03/2018 14h35

O vereador Antônio Gomide (PT) repercutiu na tribuna, nesta quarta-feira (21.mar), manchete do jornal O Popular que informa que a tarifa de água e esgoto de Goiás é a mais cara do Brasil.

“Como que esse governo, depois de 20 anos, pode justificar isso ao povo? É o mesmo grupo político no poder e no ano eleitoral sai essa manchete, pois há um debate sobre recursos hídricos acontecendo em fórum mundial, em Brasília”, iniciou o vereador.

Gomide questionou se o governador Marconi Perillo (PSDB) e seus secretários têm a coragem de subir numa tribuna para defender aquilo que fizeram na área de saneamento, de colocar a culpa em alguém. “Pensar que estamos no Centro-Oeste, no Cerrado, onde é produzida a água para o Brasil. O produto está aqui, é daqui que parte para outros estados”, completou.

O vereador lembrou que o jornal não buscou dados de partidos políticos e nem da oposição, mas sim do Ministério das Cidades e do IBGE. Segundo ele, são dados oficiais, discutidos hoje em Brasília, no fórum mundial, pois há o entendimento geral da importância do saneamento básico para a sociedade. “É um bem importante para a vida, pois a cada R$ 1 de investimento, economiza-se R$ 5 na saúde”, explicou.

Para Gomide, essa tarifa mais alta do País precisa ser debatida pelos anapolinos pois há uma discussão sobre saneamento sendo realizada na cidade, já que o prefeito Roberto Naves (PTB ) prometeu municipalizar a água na sua campanha e há uma promessa de investimento de R$ 100 milhões em obras no sistema local, com a contrapartida de ampliar a concessão da Saneago para mais 25 anos.

Segundo o vereador, a avaliação do serviço oferecido pela Saneago, e o alto valor cobrado por ela, é importante quando se leva em conta que se trata de uma estatal. “Ou seja, é uma política pública por parte do governo estadual que esfola o cidadão, que não tem retorno mesmo pagando a taxa mais cara do Brasil”. Gomide frisou ainda que o valor cobrado em Goiás é 50% mais elevado que a média nacional.

Ainda sobre Anápolis, o vereador destacou que todo o dinheiro arrecadado pela Saneago na cidade não é retornado aos anapolinos, em forma de obras e benfeitorias.

Antônio Gomide também comentou reportagem sobre o Credeq de Goianésia, inaugurado recentemente pelo governador, mas que só vai funcionar efetivamente em junho. O vereador também questionou promessas feitas para Anápolis. “E o Credeq de Anápolis? E o centro de especialidades, cuja área foi cedida pelo Município, cuja lei foi aprovada nesta Casa?”, concluiu Gomide.