Professora Geli diz que não é contra novo distrito, mas vota contra projeto por questão técnica

por Fernanda Morais publicado 20/08/2019 14h35, última modificação 20/08/2019 15h23
Professora Geli diz que não é contra novo distrito, mas vota contra projeto por questão técnica

Geli diz que não é contra Daia Municipal, mas vota contra proposta por questões técnicas (Foto: Ismael Vieira)

A vereadora Professora Geli Sanches (PT), disse na tribuna do plenário durante a sessão ordinária desta terça-feira (20.ago) que não é contra a implantação do Daia 2 em Anápolis, pelo contrário "sou a favor, desde que seja feito dentro da legalidade, obedecendo critérios técnicos e o que rege o Plano Diretor da cidade", explicou.

A vereadora afirmou que votou a favor da proposta em primeira votação, mas que seria contrário ao projeto em segunda votação, por questões ligadas ao que diz a legislação vigente no município.

"Fui até ao Ministério Público, conversei com a doutora Sandra Mara, e ela me disse que o MP não é a favor e nem contra a permuta da área para criação do Daia 2. Segundo ela o órgão atua apenas pela legalidade do processo", frisou.

Nesse sentido, a vereadora do PT informou que o MP enviou um documento, já recebido pelo prefeito Roberto Naves (PTB), solicitando informações a respeito do projeto de criação e implantação do Daia 2.

"Na correspondência questiona-se se o novo distrito se encontra na Zona Linear de Desenvolvimento Econômico - ZLDE da Macrozona do Piancó, obedecendo ao artigo 12 do plano Diretor da cidade. O cumprimento dessa exigência deve ser observada considerando a realização de audiência pública e estudos técnicos embasados na ultima atualização do plano que ocorreu em 2016", mostrou a vereadora.

Geli explicou que o Plano Diretor diz que para fins de planejamento, Anápolis tem cinco macrozonas. Uma delas é a do Piancó, ribeirão que abastece a cidade com 80% de água.

"A macrozona do Piancó também é dividida em zonas e áreas especiais como a Zona Urbana Descontínua de Interlândia (ZUD-I), a Zona Linear de Desenvolvimento Econômico (ZLDE), a Zona Rural (ZR), a Área Especial de Segurança da Base Aérea (AESB) e a Área Especial de Interesse Ambiental (AEIA).

O questionamento é saber se a área que está se permutando para instalação do novo distrito industrial está na ZLDE, e nós sabemos que não está", disse.

Nesse sentido, a vereadora apontou que o processo de implantação do Daia 2 em Anápolis está sendo feito através de um caminho inverso. "Sem a alteração necessária do Plano Diretor. Por isso, hoje eu voto contra essa permuta para que tudo possa ser feito dentro da legalidade. Essa discussão é séria e cheia de caminhos, precisamos de instruções técnicas  para que não hajam problemas que podem até prejudicar  implantação do distrito", concluiu.