Câmara Municipal participa de iniciativa que trará o juizado da mulher para a cidade de Anápolis

por Orisvaldo Pires publicado 19/06/2017 16h07, última modificação 19/06/2017 16h07
Câmara Municipal participa de iniciativa que trará o juizado da mulher para a cidade de Anápolis

Câmara Municipal participa de iniciativa que trará o juizado da mulher para a cidade de Anápolis

Reportagem e texto: Rubens Júnior

Na manhã desta segunda-feira (19.jun) a vereadora Professora Geli Sanches (PT), representou a Câmara Municipal em reunião no Tribunal de Justiça, com a presença da Presidente da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar e Execução Penal do Estado de Goiás, Desembargadora Sandra Teodoro.

Também participaram o propositor do encontro, diretor do Foro de Anápolis, juiz Ricardo Silveira Dourado; a superintendente executiva da Mulher e da Igualdade Racial, Gláucia Teodoro Reis; a superintendente executiva dos Direitos Humanos, Onaide Santillo; a diretora da Faculdade Raízes, Kerllen Bonome e o presidente da Associação Educativa Evangélica, Ernei de Oliveira Pina.

O diretor do Foro, Ricardo Silveira Dourado, levou o pedido para a implantação do Juizado da Mulher na Comarca de Anápolis, que para ele “é de primordial importância em razão da violência de gênero, a qual desestrutura as famílias, trazendo prejuízos às mulheres, aos filhos e aos próprios autores”.

A desembargadora Sandra Teodoro comentou a importância da reunião, por fortalecer a rede de proteção da mulher. “Tudo que soma é muito importante, a disponibilidade da faculdade para atender a agredida e o agressor é muito útil e importante”, afirmou a Desembargadora, que acredita ser instalado o Juizado da mulher na cidade em até dois meses.

O presidente da Associação Educativa Evangélica, Ernei de Oliveira Pina, informou que a Faculdade Raízes, mantida da Associação, já está preparada para receber a unidade da Justiça, com o Juizado da Mulher. Também já está disponível uma equipe de profissionais do Curso Superior de Psicologia, os quais serão responsáveis pelos programas de assistência à família da pessoa agredida e o agressor.

A vereadora Professora Geli Sanches comentou a relevância da luta que se prolonga desde o ano de 2013, para a formalização do juizado especial para a mulher. “É uma solicitação nossa que se iniciou em 2013 e se transformou em um processo no Tribunal, para a criação de uma vara que apura os crimes contra a mulher, agora com a parceria da Faculdade Raízes, Anápolis terá um juizado específico para os casos contra a mulher”, comemorou a vereadora.