Câmara homenageia IFG de Anápolis e entrega título de cidadania para diretora-geral Elza Gabriela

por Marcos Vieira publicado 19/06/2019 18h07, última modificação 19/06/2019 18h07
Câmara homenageia IFG de Anápolis e entrega título de cidadania para diretora-geral Elza Gabriela

Elza Gabriela, vereadora Professora Geli, pró-reitor Daniel e deputado Antônio Gomide (Foto: Ismael Vieira)

A Câmara Municipal de Anápolis realizou sessão solene na noite de terça-feira (18.jun), para celebrar os nove anos de fundação do campus Anápolis do Instituto Federal de Goiás (IFG) e os dez anos da lei de criação dos IFs. O evento que aconteceu no teatro do instituto ainda teve a outorga de título de cidadania anapolina à diretora-geral do IFG Anápolis, Elza Gabriela Godinho Miranda.

As duas datas foram comemoradas com a entrega de certificados de honra ao mérito conferidos pelo Poder Legislativo.

A sessão solene foi uma iniciativa da vereadora Professora Geli Sanches (PT), que frisou a alegria em homenagear um instituto que ajuda no desenvolvimento educacional da cidade e promove uma interação com a população e trabalhos sociais representativos.

“O IFG é muito importante, pois atua no tripé ensino, pesquisa e extensão. Ressalto aqui a extensão, que envolve a comunidade que rodeia o campus, que é muito carente. Quem ganha é a cidade de Anápolis”, disse a vereadora. Ela também falou do título de cidadania dado à professora Elza. “É uma pessoa especial, pesquisadora envolvida com a cultura. Ela não era anapolina de direito, mas de fato, e presta relevantes serviços para nossa cidade”.

Elza Gabriela fez um relato da sua vida pessoal e profissional no discurso de agradecimento, ressaltando o papel da educação para os avanços sociais e pessoais de cada brasileiro. Disse que é uma satisfação se tornar anapolina durante as comemorações dos nove anos do campus Anápolis.

“Anápolis me acolheu e também à minha família, me recebeu enquanto profissional e professora pesquisadora, e hoje posso dizer que tenho laços com a cidade e acredito que por isso a Câmara Municipal me concede essa honraria” comentou a professora.

O deputado estadual Antônio Gomide (PT) disse que se orgulha da semente plantada em janeiro de 2009, no seu primeiro mandato de prefeito, quando foi dado início à terraplanagem para construção do campus do IFG Anápolis.

“Investimos no que acreditamos e o IFG educa para a vida”, frisou o parlamentar. Ele lembrou que a região que abriga o instituto era conhecida somente como “a saída da cidade, perto do cemitério”, e com o IFG houve uma mudança significativa, com valorização dos moradores.

Gomide frisou que 90% dos alunos do IFG são de baixa renda, o que reforça ainda mais a importância do local para a transformação de vidas, através da “educação pública, gratuita e de qualidade”.

O pró-reitor de Extensão do IFG, Daniel Silva Barbosa, afirmou que a noite era de celebrar várias histórias. “É importante que a gente comemore os resultados, pois o IF dá visibilidade à cidade. É o segundo maior instituto de Goiás em número de alunos e sua posição é estratégica”, afirmou. Ainda segundo o pró-reitor, o IFG de Anápolis caminha para uma década de “política pública que visa incluir”.

Diversas autoridades prestigiaram a sessão solene. Entre elas o delegado-adjunto em Anápolis da Receita Federal, Sérgio Ferreira Nascimento; o presidente do Conselho Municipal de Cultura, Luiz Sérgio Fragelli; o auditor fiscal da Receita Federal Sérgio Luiz Cunha Silva (esposo da professora Elza Gabriela); a executiva da União Estadual dos Estudantes, Ana Fonseca; e o coordenador do Coletivo Para Todos, Douglas Máximo.

Durante a sessão solene foi formalizado o nome do teatro do IFG Anápolis, batizado como Professor Wemerson Martins Medeiros, falecido em março de 2018. Guilherme Martins, filho do professor Wemerson e que mora na Itália, enviou um vídeo em agradecimento pela homenagem, que foi exibido durante o evento.

O professor Luciano Nunes fez um breve discurso em referência ao colega Wemerson, em nome dos servidores do campus Anápolis. Também prestigiaram o momento Carlos Roberto de Oliveira e Vera Maria Peixoto, respectivamente pai e prima do professor Wemerson, que participaram do descerramento da placa que foi instalada no hall do teatro com a indicação da homenagem.