Antônio Gomide repercute reunião com diretor geral da Administração Penitenciária

por Fernanda Morais publicado 27/02/2018 11h28, última modificação 27/02/2018 11h28
Antônio Gomide repercute reunião com diretor geral da Administração Penitenciária

Antônio Gomide repercute reunião com diretor geral da Administração Penitenciária

Em discurso na tribuna do plenário, durante a sessão ordinária desta terça-feira (27.fev),  o petista Antônio Gomide trouxe informações sobre a reunião realizada entre alguns vereadores e o diretor geral da Administração Penitenciária de Goiás, coronel Edson Costa.

O encontro aconteceu no Fórum Cível de Goiânia e teve ainda as presenças da Juíza da Vara de Execuções Penais de Anápolis, Lara Gonzaga de Siqueira, da promotora de Justiça, Adriana D’Abruzzo e do presidente do Conselho da Comunidade na Execução Penal, Gilmar Alves.

“Fomos buscar soluções a respeito do novo presídio de Anápolis que foi inaugurado, mas não tem definição quanto a ocupação do prédio”, disse Gomide informando que após a conversa com o coronel Edson, a comitiva de vereadores seguiu para um encontro com o atual secretário estadual de Segurança pública, Irapuan Costa Júnior.

“Ontem familiares dos 65 presos transferidos de Anápolis para Formosa estiveram aqui na Câmara para falar sobre a falta de diálogo sobre essa ação do Governo. Conseguimos conversar o diretor geral da Administração Penitenciária que cuida da gestão dos presídios. Confirmamos que o seu chefe é o governador Marconi Perillo e não o secretário Irapuan”.

O petista registrou que a reunião com Edson Costa foi dura e muito discutida. “Discutir com coronel é uma maravilha. Já está tudo pronto e tudo que ele fala é o melhor para todos nós”, ironizou o vereador acrescentando que os representantes de Anápolis continuam contrários a decisão de trazer presos de outras cidades para o presídio local.

“O coronel não saiu convencido, mas disse que ia pensar e levar em consideração o nosso posicionamento. Essa primeira audiência em Goiânia foi importante, mas não suficiente para ter certeza que as vagas do novo presídio serão para Anápolis. A Câmara faz o seu papel, mas o jogo é duro. As decisões vêm do Governo do Estado. E o prefeito tem que fazer essa conversa com governador”, concluiu.