Vereadores agem e barram distribuição de bonecas inadequadas para crianças de Anápolis

por Assessoria publicado 20/12/2017 16h16, última modificação 20/12/2017 16h16

Nos dias que antecederam a distribuição de brinquedos da OVG no Estádio Jonas Duarte, vários vereadores da Câmara Municipal de Anápolis reagiram e mobilizaram-se contra o modelo especificamente dos bonecos que seriam ofertados como presente às crianças. O comportamento foi de repúdio, sob argumento de que o brinquedo provocava apologia à ideologia de gênero.

O vereador João da Luz (PHS), por exemplo, tomou iniciativa de um dia antes da entrega acionar o Conselho Tutelar, para que inspecionasse os presentes. Segundo ele, com o objetivo de evitar que entre carrinhos, bolas e jogos, estivessem também os bonecos alvos de tantas críticas nos últimos dias. Os vereadores receberam fotos dos bonecos e denúncias, pessoalmente e pelas redes sociais, com críticas aos modelos ofertados pela OVG.

“Agimos para que nossas crianças não recebessem essas bonecas que não tem definição adequada quanto ao sexo”, explicou João da Luz. O vereador agradeceu a ação in loco dos conselheiros Etiene Garcez Machado e Lucas Soares, e suas respectivas equipes, e também à promotora de Justiça Carla Brant, ao juiz da Infância e Juventude, Carlos Limongi, e ao prefeito Roberto Naves (PTB).

A suspensão da distribuição dos brinquedos alvos de críticas teve como fator decisivo e importante o trabalho em conjunto dos vereadores anapolinos, que se mostraram indignados com a possibilidade de o governo estadual distribuir um tipo de brinquedo considerado por eles inadequado às crianças da cidade. Foram feitas notas e moção de repúdio, além de articulações junto ao Executivo para que os bonecos não fossem colocados à disposição da população.

O vereador Jakson Charles (PSB), líder do prefeito, esteve com Roberto Naves e ouviu do chefe do Executivo, oficialmente, o compromisso que em Anápolis não haveria a distribuição dos bonecos. Para ele, esse tipo de brinquedo representa apoio à ideologia de gênero, uma causa que deve ser combatida em nome da defesa da família.

Jakson reconheceu a importância da campanha da OVG, um alento para milhares de crianças no Natal, mas condenou a escolha das “bonecas trangêneros”. Ele comemorou a ação conjunta dos vereadores para barrar a distribuição em Anápolis, uma prova de que a Câmara Municipal age em defesa da família e dos princípios cristãos.

Ofício de iniciativa do vereador Lélio Alvarenga (PSC), encaminhado ao prefeito, também pediu a suspensão da distribuição das bonecas. A Câmara já havia aprovado uma Moção de Repúdio direcionada à OVG, criticando as bonecas. “Esses brinquedos são uma afronta e desrespeito com as famílias de nossa cidade, uma apologia à ideologia de gênero”, escreveu Lélio no documento.

Assinaram o ofício os seguintes vereadores: João da Luz (PHS), Mauro Severiano (PSDB), Jean Carlos (PTB), Thaís Souza (PSL), Américo (PSDB), Professora Geli Sanches (PT), Antônio Gomide (PT) e Jakson Charles (PSB), além do presidente Amilton Filho (SD).

O vereador Pastor Elias (PSDB) também foi autor de uma nota que mostrava a indignação em relação às bonecas. “Torno público todo meu repúdio à atitude da OVG em aceitar a distribuição de bonecas que fazem apologia à ideologia de gênero, sendo que são protótipos de meninas com órgão genital de menino. Em face a essa aberração reitero minha posição em defesa da família e das crianças”, escreveu.

O vereador tucano continuou: “Respeito qualquer ser humano independente de sua opção sexual, mas não posso aceitar que nossas crianças sejam aliciadas para tal ideologia. Afirmo como representante do povo na Câmara de Anápolis, não vou aceitar que essas bonecas sejam distribuídas em nossa cidade. Faremos o que for preciso para impedir a distribuição”.