Pastor Elias busca solução para trecho urbano da BR-153 abandonado por concessionária

por Marcos Vieira publicado 08/08/2017 15h28, última modificação 08/08/2017 15h28

O vereador Pastor Elias Ferreira (PSDB) usou a tribuna nesta terça-feira (8.ago), para falar de gestões feitas por ele visando melhorias em trecho da BR-153 nas proximidades do Bairro de Lourdes, no perímetro urbano de Anápolis.

O local é ponto de travessia de moradores da região. O mato alto gera insegurança, pois os motoristas que trafegam na rodovia não enxergam quem tenta cruzar a pista. Além disso, mulheres são suscetíveis a casos de violência.

Pastor Elias disse que primeiro procurou o Dnit, que lhe informou que nada poderia ser feito, pois a rodovia, entre Anápolis e Aliança (TO), era uma concessão do Grupo Galvão.

Sem dinheiro para melhorias desde que foi denunciado na Operação Lava Jato, o grupo empresarial acabou não realizando nenhuma obra ou melhoria no trecho de 624 quilômetros.

O vereador Pastor Elias então fez uma denúncia ao Ministério Público Federal (MPF), pedindo que intercedesse para que os serviços fossem realizados na BR-153. “Anexei ocorrências policiais de mulheres atacadas no local”, explicou. Bandidos também aproveitam o mato alto para atacar carros, jogando pedras no pára-brisa.

“Enviei cópia da denúncia aos deputados federais Alexandre Baldy, Jovair Arantes e João Campos, e para os senadores Wilder Morais, Ronaldo Caiado e Lúcia Vânia”, disse Pastor Elias.

Lúcia Vânia acabou indo a ANTT e Dnit para tentar resolver o problema. O MPF também intercedeu a favor da população, derrubando a liminar que proibia outra empresa ou ente, além da Galvão, de realizar serviços na rodovia.

Pastor Elias falou ainda que participou de audiência pública na Assembleia Legislativa para discutir o abandono da BR-153, e prometeu seguir trabalhando para resolver o problema definitivamente.

Adicionar Comentário

Você pode adicionar um comentário preenchendo o formulário a seguir. Campo de texto simples. Endereços web e e-mail são transformados em links clicáveis. Os comentários são moderados